A força de trabalho paulista: análise crítica das fontes

  • Leticia B. Costa Fundação Seade

Resumo

A Força de Trabalho Paulista: análise crítica das fontes. Para análises de PEA, a PNAD é uma fonte privilegiada, em virtude de duas características: cobertura universal diferentemente de outras fontes, que cobrem apenas partes da PEA, e periodicidade anual, diferente dos censos, que são decenais. Importa portanto conhecer melhor a qualidade dos dados por ala produzido, o que constitui primeiro propósito deste trabalho. Um segundo propósito, realizado ao longo do processo de análise dos dados é traçar a evolução recente da PEA no Estado de São Paulo, pelo menos em suas características mais gerais, o que é feito para os sexos em separado, para o período 1971-88. Por razões indicadas no texto, as taxas de participação são mais aceitáveis que os dados absolutos. Estas taxas apresentam uma elevação bem marcada do começo para o fim do período estudado para as mulheres da maioria das faixas etárias e de todas as condições no domicílio (não existem informações sobre participação por estado civil). Analisam-se, ademais, dados de escolaridade, ocupação/desemprego, distribuição setorial, posição na ocupação e horas trabalhadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-01-15
Como Citar
Costa, L. B. (2014). A força de trabalho paulista: análise crítica das fontes. Revista Brasileira De Estudos De População, 7(2), 125-161. Recuperado de https://rebep.org.br/revista/article/view/534
Seção
Artigos originais