Os fluxos migratórios entre os níveis da hierarquia urbana brasileira no período 1980-2010

Palavras-chave: (Re)distribuição espacial da população, Desconcentração, Migrações internas

Resumo

Na década de 1980, observou-se uma inflexão na redistribuição espacial da população brasileira, atribuída à relativa descentralização econômica iniciada na década de 1970, especialmente das atividades industriais. Essas mudanças no espaço econômico nacional levaram a alterações drásticas nos volumes e direções dos fluxos migratórios. Este artigo investiga o impacto da mudança dos padrões migratórios na hierarquia urbana brasileira, ao longo das últimas três décadas, para determinar se um processo de desconcentração, apontado por alguns autores, está de fato em andamento. Os fluxos migratórios entre os diferentes níveis da hierarquia urbana foram calculados por meio de dados censitários e representados visualmente em uma série de gráficos. Se um processo de desconcentração está ocorrendo, um aumento dos fluxos dos centros urbanos posicionados nos níveis hierárquicos superiores para os centros de menor ordem seria esperado. Este estudo indica um processo de concentração populacional em cidades de tamanhos maiores, mas não no nível mais alto da hierarquia urbana – o que sugere a inflexão das tendências históricas de metropolização no Brasil. A crescente importância das “Capitais Regionais”, o segundo nível mais alto, sugere um processo de reestruturação e descompressão relativa do sistema urbano, embora o ritmo dessas mudanças esteja desacelerando.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Coelho de Carvalho, Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR/FACE/UFMG)
Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005), mestrado (2013) e doutorado (2017) em Demografia pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Universidade Federal de Minas Gerais (CEDEPLAR/UFMG). Possui experiência nas áreas de Geografia e Demografia, com ênfase nos seguintes temas: Distribuição espacial da população, estudos migratórios (teoria e técnicas de análise), geoprocessamento, análise de redes e análise socioeconômica.
Elin Charles-Edwards, School of Earth and Environmental Sciences Faculty of Science The University of Queensland
Senior Lecturer in Human GeographySchool of Earth and Environmental SciencesFaculty of ScienceThe University of Queensland

Referências

AMORIM FILHO; O. B.; SERRA, R. V. Evolução e perspectivas do papel das cidades médias no planejamento urbano e regional. In: ANDRADE, T. A.; SERRA ,R. V. (org.). Cidades médias brasileiras. Rio de Janeiro: Ipea, 2001.

BAENINGER, R. Migrações internas no Brasil século 21: evidências empíricas e desafios conceituais. In: CUNHA, J. M. P. da. Mobilidade espacial da população: desafios teóricos e metodológicos para o seu estudo. Campinas: Núcleo de Estudos de População (Nepo/Unicamp), 2011.

BELL, M.; WILSON, T.; CHARLES-EDWARDS, E.; UEFFING, P. The long-run decline in Australian internal migration intensities. In: CHAMPION, A.; COOKE, T.; SHUTTLEWORTH, I. (ed.). Internal migration in the developed world: are we becoming less mobile? Abingdon; New York: Routledge, 2018.

BERRY, B. J. L. Urbanization and counterurbanization. Beverly Hills: Sage Publications, 1976.

BRAGA, F. G. Conexões territoriais e redes migratórias: uma análise dos novos padrões da migração interna e internacional no Brasil. 2011. 129 f. Tese (Doutorado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais (Cedeplar/Face/UFMG), Belo Horizonte, 2011.

BRAGA, F. G.; FAZITO, D. Análise de redes sociais e as conexões territoriais da migração no Brasil: padrões estruturais da migração interna entre 1980 e 2000. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 17., 2010, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Abep, 2010.

BRITO, F. O deslocamento da população brasileira para as metrópoles. Estudos Avançados, v. 20, n. 57, p. 221-236, 2006.

BRITO, F. As migrações internas no Brasil: um ensaio sobre os desafios teóricos recentes. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2009. (Texto para discussão, 366).

CAMARANO, A. A.; BELTRÃO, K. I. Distribuição espacial da população brasileira: mudanças na segunda metade deste século. Rio de Janeiro: Ipea, 2000. (Texto para discussão, 766).

CANO, W. Novas determinações sobre as questões regionais e urbanas após 1980. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 13, n. 2, p. 27-53, nov. 2011.

CARVALHO, R. C. Exploring the changing patterns of population (re)distribution in Brazil: a multiscale and multidimensional approach. 2017. 123 f. Tese (Doutorado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais (Cedeplar/Face/UFMG), Belo Horizonte, 2017.

CHÁVEZ GALINDO, A. M.; VIGNOLI, J. R.; ACUÑA, M.; BARQUERO, J.; MACADAR, D.; CUNHA, J. M. P. da; SOBRINO, J. Migración interna y cambios metropolitanos: ¿qué está pasando en las grandes ciudades de América Latina? Revista Latinoamericana de Población, ano 10, n. 18, p. 7-41, 2016.

CORRÊA, R. L. Construindo o conceito de cidade média. In: SPOSITO, M. E. B. (org.). Cidades médias: espaços em transição. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

CUNHA, A. S. O Índice de Eficácia Migratória: suas raízes e o seu uso na análise e interpretação dos movimentos migratórios. 2014. Available at: http://www.academia.edu/. Access on: 05 Feb. 2016.

DINIZ, C. C. Desenvolvimento poligonal no Brasil: nem desconcentração, nem contínua polarização. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 31, n. 1, p. 35-64, set. 1993.

FIELDING, A. Counterurbanization in Western Europe. Progress in Planning, v. 17.1, p. 1-52, 1982.

HALL, P. Decentralitation wthout end? A re-valuation. In the expanding city. London: Academic Press, 1983.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Metodologia do censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. (Relatórios metodológicos, ISSN 0101-2843; v.41).

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Regiões de Influência das Cidades 2007 (Areas of Influence of Cities 2007). Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Série Caracterização e Tendências da Rede Urbana do Brasil. Brasília: Ipea, IBGE, Unicamp, 2002.

JANOSCHKA, M. El nuevo modelo de la ciudad latinoamericana: fragmentación y privatización. Revista Eure, Santiago de Chile, v. 28, n. 85, p. 11-20, 2002.

LENCIONI. S. Metropolização do espaço: processos e dinâmicas. In: FERREIRA, A.; RUA, J.; MARAFON, G. J.; SILVA, A. C. P. (org.). Metropolização do espaço: gestão territorial e relações urbano-rurais. 1. ed. Rio de Janeiro: Consequência, 2013. p. 17-34.

MARTINE, G. A redistribuição espacial da população brasileira durante a década de 80. Brasília, Ipea, 1994 (Textos para Discussão, 329).

MARTINE, G.; DINIZ, C. C. Economic and demographic concentration in Brazil: recent inversion of historical patterns. In: JONES, G. W.; VISARIA, P. (ed.). Urbanization in large developing countries: China, Indonesia, Brazil and India. Oxford: Oxford University Press, 1997.

MARTINE, G.; CAMARGO, L. Crescimento e distribuição da população brasileira: tendências recentes. Revista Brasileira de Estudos de População, Campinas, v. 1, n. 2, p. 99-143, jan./dez. 1984.

MATOS, R.; BAENINGER, R. Migração e urbanização no Brasil: processos de concentração e desconcentração espacial e o debate recente. Cadernos do Leste, Belo Horizonte, v. 6, n. 6, p. 7-44, 2004.

MATTOS, C. A. Globalización y metamorfosis metropolitana en América Latina: de la ciudad a lo urbano generalizado. Revista de Geografía Norte Grande, n. 47, p. 81-104, 2010.

MONTE-MÓR, R. L. M. Urbanização extensiva e lógicas de povoamento: um olhar ambiental. In: SANTOS, M. et al. (org.). Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/Anpur, 1994. p. 169-181.

MONTE-MÓR, R. L. M. Cidade e campo, urbano e rural: o substantivo e o adjetivo. In: FELDMAN, S.; FERNANDES, A. (ed.). O urbano e o regional no Brasil contemporâneo: mutações, tensões, desafios. Salvador, Bahia: EDUFBA, 2007. p. 93-114.

OPENSHAW, S. The modifiable areal unit problem. Norwich: GeoBooks, 1984. (Concepts and Techniques in Modern Geography, 38).

QUEIROGA, E. F.; BENFATTI, D. M. Entre o nó e a rede, dialéticas espaciais contemporâneas: o caso da Metrópole de Campinas diante da Megalópole do Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 9, n. 1, p. 41-52, 2007.

REES P.; BELL, M.; KUPISZEWSKI, M.; KUPISZEWSKA, D.; UEFFING, P.; BERNARD, A.; CHARLES-EDWARDS, E.; STILLWELL, J. The impact of internal migration on population redistribution: an international comparison. Population, Space and Place, v. 23, n. 6, 2016.

RIGOTTI, J. I. R.; CUNHA, J. M. P. da. A migração interna nos últimos 50 anos: (des)continuidades, rupturas e recrudescimentos. In: REUNIÓN NACIONAL DE INVESTIGACIÓN DEMOGRÁFICA EM MÉXICO, 11., 2012. Anais [...]. Águas Calientes: Sociedad Mexicana de Demográfia (SOMEDE), 2012.

RIGOTTI, J. I. R. A geografia dos fluxos populacionais brasileiros. Estudos Avançados, São Paulo, v. 20, n. 57, p. 237-254, maio/ago. 2006.

RODRÍGUEZ, J.; ROWE, F. How is internal migration reshaping metropolitan populations in Latin America? A new method and new evidence. Population Studies, v. 72, n. 2, p. 253-273, 2018.

SILVA, K. A.; CUNHA, J. M. P. da; ORTEGA, G. M. Um olhar demográfico sobre a constituição da macrometrópole paulista: fluxos populacionais, integração e complementaridade. Cadernos Metrópole, São Paulo, v. 19, n. 40, p. 721-748, 2017.

Publicado
2019-12-02
Como Citar
Carvalho, R. C. de, & Charles-Edwards, E. (2019). Os fluxos migratórios entre os níveis da hierarquia urbana brasileira no período 1980-2010. Revista Brasileira De Estudos De População, 36, 1-19. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0087
Seção
Artigos originais