Demografia e antropologia em contraponto: os Enawene-Nawe e suas derivas matrimoniais

  • Marcio Silva Centro de Estudos Ameríndios, Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Enawene-Nawe. Demografia e antropologia. Parentesco. Anéis matrimoniais.

Resumo

Este artigo tem um duplo objetivo – um de caráter documental e outro de cunho teórico. Por um lado, o trabalho visa fornecer informações que permitem esboçar o perfil demográfico de um povo ameríndio da Amazônia Meridional Brasileira e sobrepor informações antropológicas a esses dados quantitativos que retomam, na clave das ideias e valores nativos, aspectos de alguma maneira implicados neste perfil. A expectativa é que tal sobreposição, como nos contrapontos musicais, traga sentidos que estão ausentes nas séries de dados consideradas isoladamente. Por outro lado, o artigo procura chamar a atenção para o interesse analítico de um fenômeno empírico raramente explorado, embora muitas vezes intuído pela pesquisa etnográfica: as redes de “anéis matrimoniais” tecidas por esses povos. O estudo destas redes traz para o primeiro plano uma região de fronteira interdisciplinar que reclama o aprofundamento do diálogo entre a demografia de sociedades de pequena escala e a antropologia do parentesco, ambas interessadas, cada uma a seu modo, nas formas de reprodução desses coletivos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Silva, Centro de Estudos Ameríndios, Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo-SP, Brasil.
doutor em Antropologia pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro e mestre em Linguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem, da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Professor titular do Departamento de Antropologia, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo – USP. Fez pesquisa linguística entre os Kamayurá (Alto Xingu) e etnográfica entre os Waimiri-Atroari (Amazônia Setentrional) e Enawene-Nawe. Sua pesquisa atual tem como tema o tratamento computacional do parentesco.

Referências

BOURDIEU, P. Les stratégies matrimoniales dans le système de reproduction. Annales: Économies, Sociétés, Civilisations, v. 27, n. 4, p. 1105-1127, 1972.

CAÑAS, V. Diários do Ir. Vicente Cañas, Manuscrito. Arquivo da Operação Amazônia Nativa, 1978-1987.

CEDI – Povos Indígenas no Brasil: 1987/88/89/90, São Paulo, n. 18, 1990.

CORREIO DO POVO, Cuiabá, edições de 04/02, 05/02 e 11/02 de 1972.

DAL POZ, J.; SILVA, M. MaqPar – A homemade tool for the study of kinship networks. Vibrant, v. 6, n. 2, p. 29-51, 2009.

_________. Informatizando o método genealógico: um guia de referência para a máquina de parentesco. Teoria e Cultura, v. 3, p. 63-7, 2010.

DUMONT, L. Introduction à deux theories d’anthropologie sociale: groupes de filiation et alliance de mariage. Paris: Mouton, 1971.

FERREIRA, C. E.; FRANCO, A. J. P.; SILVA, M. Finding matrimonial circuits in some Amerindian kinship networks: an experimental study In: IEEE 10TH INTERNATIONAL CONFERENCE ON E-SCIENCE. Anais... São Paulo: IEEE, 2014. v. 1, p. 73-80. Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/search/searchresult.jsp?searchWithin=%22Authors%22:.QT.Marcio%20Ferreira%20da%20Silva.QT.&newsearch=true>.

FLOWERS, N. M. Crise e recuperação demográfica: os Xavante de Pimentel Barbosa, Mato Grosso. In: SANTOS, R. V.; COIMBRA Jr., C. E. A. (Org.). Saúde e povos indígenas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1994. p. 213-42.

FUNAI/DID/DGPI. Relatório. Brasília-DF: Fundação Nacional do Índio, incluído no Proc. FUNAI/BSB/292/78. 27/11/1981.

GREGORY, C. Gifts and commodities. London: Academic Press, 1982.

HAMBERGER, K.; HOUSEMAN, M.; DAILLANT, I.; WHITE, D.; BARRY, L. Matrimonial ring structures. Mathématiques, Informatique et Sciences Humaires, 42e année, n. 4, p. 83-119, 2004.

HÉRITIER, F. L’ Exercice de la parenté. Paris: Gallimard/Le Seuil, 1981 (Coll. Hautes Études).

HOUSEMAN, M.; WHITE, D. Structures réticulaires de la pratique matrimoniale. L’Homme, v. 139, p. 59-85, 1996.

LÉVI-STRAUSS, C. Les structures élémentaires de la parenté. Paris: Mouton, [1949] 1967.

_________. La famille. Le Regard Éloigné. Paris: Plon, [1956] 1983

LISBOA, T. A. Os Enauenê-Nauê: primeiros contatos. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

LOUNSBURY, F. G. The structural analysis of kinship semantics. In: NINTH INTERNATIONAL CONGRESS OF LINGUISTICS. Proceedings... Mouton: The Hague, 1964. P. 1073-1093.

MISSÃO ANCHIETA. Documentos, incluído no Proc. FUNAI/BSB/292/78. 09/01/1978.

MURDOCK, G. Social structure. New York: Macmillan, 1949.

O ESTADO DE S. PAULO, São Paulo-SP, edição de 14/08/1974.

PAGLIARO, H. A revolução demográfica dos povos indígenas: a experiência dos Kaiabi do Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso. In: PAGLIARO, H.; AZEVEDO, M. M.; SANTOS, R. V. (Org.). Demografia dos povos indígenas no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; Associação Brasileira de Estudos Populacionais –Abep, 2005. p. 79-102.

RICHARD, P. Étude des renchaînements d’alliance. Mathématiques et Sciences Humaines, v. 123, p. 3-35, 1993.

RIVERS, W. H. R. The genealogical method of anthropology inquiry. Sociological Review, v. 3, p. 1-12, 1910.

RONDON, C. M. S. Publicação nº 2. 2. ed. Rio de Janeiro: Comissão Rondon, 1945. Anexo 5.

SÁ, C. A. As fases da vida: categorias de idade Enawene(ro) Nawe. Cuiabá: Operação Amazônia Nativa, 1996.

SANTOS, G. M. Da cultura à natureza: um estudo do cosmos e da ecologia dos Enawene-Nawe. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, 2006.

SILVA, M. Tempo e espaço entre os Enawene-Nawe. Revista de Antropologia, v. 41, p. 21-52, 1998.

_________. Relações de gênero entre os Enawene-Nawe. Tellus, v. 1, p. 41-65, 2001.

_________. A aliança em questão: observações sobre um caso sul-americano. In: QUEIROZ, R. C.; NOBRE, R. F. Lévi-Strauss: leituras brasileiras. Belo Horizonte: –Editora UFMG, 2008. p.301-324 (Série Humanitas).

_________. Dinâmicas da vicinalidade entre os Enawene-Nawe. In: AMOROSO, M. R.; SANTOS, G. M. (Org.). Paisagens ameríndias. São Paulo: Terceiro Nome, 2013. p. 17-44.

_________. Liga dos Enawene-Nawe – um estudo da aliança de casamento na Amazônia Meridional. Tese (Livre Docência) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, 2012.

SILVA, M.; SÁ, C. A. Dados e indicadores demográficos dos povos indígenas atendidos pelo Polo Brasnorte, do Distrito Sanitário Especial Indígena – Cuiabá. In: OPAN. Controle social na saúde indígena: a experiência da Opan em Brasnorte, MT. Cuiabá: Editora da Opan, 2013. p. 55-78.

TRAUTMANN, T. R.; BARNES, R. H. “Dravidian”, “Iroquois”, and “Crow-Omaha” in North American perspective. In: GODELIER, M.; TRAUTMANN, T. R.; TJON SIE FAT, F. E. Transformation of kinship. Washington and London: Smithsonian Institution Press, 1998. P. 27-58

WEISS, M. C. Contato interétnico. Perfil de saúde-doença e modelos de intervenção em saúde indígena – o caso Enawene-Nawe em Mato Grosso. Tese (Doutorado) – Fiocruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1998.

WHITE, D. Ring cohesion theory in marriage and social networks. Informatique, Mathématique et Sciences Humaines, v. 168, n. 4, p. 59-82, 2004.

Publicado
2016-10-10
Como Citar
Silva, M. (2016). Demografia e antropologia em contraponto: os Enawene-Nawe e suas derivas matrimoniais. Revista Brasileira De Estudos De População, 33(2), 349-373. https://doi.org/10.20947/S0102-30982016a0030
Seção
Dossiê