Dinâmica demográfica da população indígena em áreas urbanas: o caso da cidade de Altamira, Pará

  • Alessandra Traldi Simoni Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP, Brasil.
  • Ricardo de Sampaio Dagnino Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP, Brasil.
Palavras-chave: População indígena. Cidade. Amazônia. Altamira

Resumo

Este artigo aborda as populações indígenas no município de Altamira, Estado do Pará, com ênfase em sua presença nas áreas urbanas e, principalmente, na sede municipal. O objetivo é compreender os movimentos e dinâmicas destas populações com relação aos dados produzidos sobre/por elas. Para tanto, utilizaram-se informações de campo, dos Censos Demográficos de 2000 e 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, e aquelas provenientes de levantamentos visando a identificação de indígenas na cidade para atender à construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Procurou-se captar os processos pelos quais a população indígena passou e passa, com destaque para as ameaças provocadas pela usina e por forças políticas que têm colocado esta população em risco. Os resultados apontam para uma presença crescente no meio urbano, principalmente de populações das etnias Juruna, Kuruaya e Xipaya que pareciam ter diminuído significativamente, mas passaram por um processo de recuperação demográfica na cidade associado a um movimento político de articulação em torno de sua identidade étnica a partir dos anos 1990.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Traldi Simoni, Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP, Brasil.
Mestre em Demografia, na área de Demografia e Etnias, pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp e bacharel em Ciências Sociais, com habilitação em Antropologia. Pesquisadora do Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena – CPEI/Unicamp e colaboradora de projetos na área de demografia de etnias no Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” – NEPO/UNICAMP
Ricardo de Sampaio Dagnino, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP, Brasil.

Pós-doutorando em Análises Demográficas Espaciais na Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas –FCA/Unicamp e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – Fapesp. Pesquisador do Laboratório de Urbanização e Mudanças no Uso e Cobertura da Terra – l-UM/FCA/Unicamp e do Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó" – Nepo/Unicamp.

Referências

ABA – Associação Brasileira de Antropologia. Convenção para a grafia dos nomes tribais. Revista de Antropologia, São Paulo, ano 2, n. 2, 1954.

AZEVEDO, M. Demografia dos povos indígenas do Alto Rio Negro. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 11, n. 2, p. 235-244, 1994.

_________. Censo Demográficos e "os índios": dificuldades para reconhecer e contar. In: RICARDO, C. (Org.) Povos indígenas no Brasil – 1996 a 2000. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2000. p. 1-832.

_________. O Censo 2010 e os povos indígenas. In: RICARDO, B.; RICARDO, F. (Ed.). Povos indígenas no Brasil 2006/2010. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2011.

BARTOLOMÉ, M. As etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. Revista Mana, v. 12, p. 39-68, 2006.

CORBISIER, A.; SERPA, P. Índios citadinos de Altamira e famílias indígenas ribeirinhas da Volta Grande do Xingu: aspectos demográficos, socioeconômicos e culturais. In: III ENCUENTRO LATINOAMERICANO CIENCIAS SOCIALES Y REPRESAS, Belém, 30/11 a 03/12 2010. Anais… Belém, 2010;

COUDREAU, H. Viagem ao Xingu. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1977.

CRESPO, C. Memorias de silencios en el marco de reclamos étnico-territoriales. Experiencias de despojo y violencia en la primera mitad del siglo XX en el Parque Nacional Lago Puelo (Patagonia, Argentina). Cuicuilco, v. 21, n. 61, p. 165-187, 2014.

CRIPPA, G. A organização e as políticas do conhecimento ao longo do tempo: desbravando a Amazônia. Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 2, n. 1, p. 243-246, jan./jul. 2011.

DAGNINO, R. Dinâmica demográfica e indicadores socioeconômicos em escala intramunicipal: municípios de Altamira e São Félix do Xingu, Estado do Pará, entre 2000 e 2010. Tese (Doutorado em Demografia) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2014.

DEL POPOLO, F.; RIBOTTA, B. Migración de jóvenes indígenas em America Latina. In: DEL POPOLO, F.; CUNHA, E.; RIBOTTA, B.; AZEVEDO, M. (Coord.) Pueblos indígenas y afrodescendientes en América Latina: dinámicas poblacionales diversas y desafíos comunes. Rio de Janeiro: Asociación Latinoamericana de Población, 2011 (Serie Investigaciones, n. 12.). p. 101-125.

ELETRONORTE. Estudos de viabilidade – UHE Kararaô – antropologia indígena. São Paulo, v. I e II, 1988.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. X recenseamento geral do Brasil – 1990: Censo demográfico: CD 1.09 – Manual do recenseador. Rio de Janeiro: IBGE, 1990.

_________. Censo Demográfico 2000: microdados da amostra. Rio de Janeiro, nov. 2002.

_________. Censo Demográfico 2010: Sinopse do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2011a.

_________. Base de informações do Censo Demográfico 2010: resultados do universo agregados por setor censitário. Rio de Janeiro, 2011b.

_________. Censo Demográfico 1991: resultados do universo relativos às características da população e dos domicílios. Número 7 – Pará. Rio de Janeiro, 1994.

_________. Censo Demográfico 2010: malhas digitais dos setores censitários. Rio de Janeiro, 2011c.

_________. Censo Demográfico 2010: características gerais dos indígenas: resultados do universo. Rio de Janeiro, 2012a.

_________. Censo Demográfico 2010: microdados da amostra. Rio de Janeiro, 2012b.

_________. Mapa etno-histórico do Brasil e regiões adjacentes. Adaptado do mapa de Curt Nimuendajú, 1944. Rio de Janeiro, 1981.

_________. Tendências demográficas. Uma análise dos indígenas com base

nos resultados da amostra dos Censos Demográficos 1991 e 2000. Rio de Janeiro, 2005.

LEME Engenharia. Estudos de impacto ambiental: aproveitamento hidrelétrico Belo Monte. Volume 35, Estudos etnoecológicos, Tomo 7 – Citadinos e Ribeirinhos da Volta Grande do Xingu. Elaborado por Leme Engenharia para a Eletrobrás e Ministério de Minas e Energia. Maio de 2009.

LIMA, D.; POZZOBON J. Amazônia socioambiental: sustentabilidade ecológica e diversidade social. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 54, p. 45-76, 2005.

MAGALHÃES, A. C. Identidade e reconhecimento étnico: índios citadinos em Altamira. Belém: Instituto Humanitas, Coleção Índios, 2008.

MAGALHÃES, S.; HERNANDEZ, F. Painel de especialistas: análise crítica do Estudo de Impacto Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico de Belo Monte. Belém, 2009. Disponível em: <http://www.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/Belo_Monte_Painel_especialistas_EIA.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2012.

MALCHER, J. M. G. Índios: grau de integração na comunidade nacional, grupo linguístico, localização. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Proteção aos Índios, 1964.

MARINHO, G.; SANTOS, R.; PEREIRA, N. Classificação dos domicílios "indígenas" no Censo Demográfico 2000: subsídios para a análise de condições de saúde. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 28, n. 2, p. 449-466, 2011.

NIMUENDAJÚ, C. Tribes of the lower and middle Xingu river. In: STEWARD, J. H. (Ed.). Handbook of South American Indians. Washington: Smithsonian Institute, 1948. v. 3.

OLIVEIRA, A. E. Os índios Juruna do alto Xingu. Dédalo, v. 6, n. 11/12, 1970.

PAGLIARO, H.; AZEVEDO, M.; SANTOS, R. Demografia dos povos indígenas no Brasil: um panorama crítico. In: PAGLIARO,

H.; AZEVEDO, M.; SANTOS, R. (Org.). Demografia dos povos indígenas no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz e Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2005.

PANTOJA, M.; COSTA, E.; ALMEIDA, M. Teoria e prática da etnicidade no Alto Juruá Acreano. Raízes, v. 31, n. 1, p. 118-136, 2011.

PATRÍCIO, M. Índios de verdade? O caso dos Xipaia e Curuaia. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2000.

PATRÍCIO, M. Xipaya. In: ISA – Instituto Socioambiental. Enciclopédia dos povos indígenas no Brasil. ISA – Instituto Socioambiental, 2003. Disponível em: <http://pib.socioambiental.org/pt/povo/xipaya>. Acesso em: 10 maio 2012.

PEREIRA, N. Inovações na pesquisa do indígena do Censo Demográfico 2010 do Brasil e um perfil demográfico dos indígenas residentes na fronteira brasileira. In: V CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO LATINOAMERICANA DE POPULAÇÃO. Anais... Montevideo: Alap, 2012. Disponível em: <http://www.alapop.org/2009/index.php?option=com_content&view=article&id=887&Itemid=518>. Acesso em: 10 nov. 2012.

SARAIVA, M. Identidade multifacetada: a reconstrução do “ser indígena” entre os Juruna do médio Xingu. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2005.

SIMONI, A. T. Demografia e identidade do povo Xipaya no Médio Rio Xingu, PA. Dissertação (Mestrado em Demografia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

STEINEN, K. V. D. O Brasil Central: expedição em 1884 para a exploração do Rio Xingu. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1942.

SNETHLAGE, E. A travessia entre o Xingu e o Tapajoz. Boletim do Museu Emilio Goeldi, VII, 1910.

TEIXEIRA, P.; MAINBOURG, E. O que os dados dos censos demográficos do Brasil mostram sobre o crescimento da população indígena nas cidades. In: XIX ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Anais... São Pedro: Abep, 2014.

UMBUZEIRO, U. Altamira e sua história. Altamira: Prefeitura Municipal de Altamira, 1999.

VIEIRA JUNIOR, A.; RAMOS, A. Guia de fontes para história da população na Amazônia 1750-1800. Belém: Açaí, 2011.

Publicado
2016-10-10
Como Citar
Simoni, A. T., & Dagnino, R. de S. (2016). Dinâmica demográfica da população indígena em áreas urbanas: o caso da cidade de Altamira, Pará. Revista Brasileira De Estudos De População, 33(2), 303-326. https://doi.org/10.20947/S0102-30982016a0020
Seção
Dossiê