Migração de Crise: a migração haitiana para o Brasil

  • Rosana Baeninger Nepo/Unicamp
  • Roberta Peres Nepo/Unicamp
Palavras-chave: Migração internacional, Migração haitiana, Migração de crise

Resumo

Este artigo tem como principal objetivo o estudo da emigração de haitianos e haitianas para o Brasil, a partir da perspectiva teórica das migrações de crise (SIMON, 1995; CLOCHARD, 2007). Parte-se da reconstrução do panorama emigratório do Haiti até a consolidação do Brasil como espaço estratégico deste fluxo imigratório, seja como país de destino ou de trânsito (FERNANDES et al., 2014; BAENINGER; PERES, 2015). Diante do complexo cenário das migrações internacionais no país, utiliza-se o aporte de metodologias mistas (ARIZA; GANDINI, 2012) com análises de registros administrativos brasileiros e também de pesquisa de campo. O perfil sociodemográfico desses imigrantes revela especificidades importantes, como sua condição documentada a partir da concessão de vistos humanitários pelo governo brasileiro ou de solicitações de refúgio. Esta característica dos imigrantes haitianos no Brasil sustenta uma dinâmica diferenciada em relação a outros contingentes migrantes no país, como sua inserção no mercado de trabalho formal e sua migração interna. A presença haitiana no Brasil denota a complexidade do campo social da migração de crise e seus desafios na lógica internacional da emigração de países periféricos para a periferia do capital (BASSO, 2003).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Baeninger, Nepo/Unicamp

Professora Livre-Docente do Departamento de Demografia e do Núcleo de Estudos de População Elza Berquó. Universidade Estadual de Campinas

Roberta Peres, Nepo/Unicamp
Doutora em Demografia-IFCH/UNICAMP. Pesquisadora do Núcleo de Estudos de População Elza Berquó-UNICAMP

Referências

ARIZA, M.; GANDINI, L. El análisis comparativo cualitativo como estratégia metodológica. In: ARIZA, M.; VELASCO, L. (Coord.). Métodos cualitativos y suaplicación empírica. Por los caminos de la investigación sobre migración internacional. México: Instituto de Investigaciones Sociales, El Colegio de la Frontera Norte, Unam, 2012. p. 497-538.

AXINN, W. G.; PEARCE, L. D. Motivations for mixed method social research. In: AXINN, W. G.; PEARCE, L. D. Mixed method data collection strategies. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 2007. p. 1-27.

BAENINGER, R. Migrações contemporâneas no Brasil: desafios para as políticas sociais. In: PRADO, E. J. P.; COELHO, R. (Org.). Migrações e trabalho. Brasília: Ministério Público do Trabalho, 2015.

BAENINGER, R.; LEONCY, C. Perfil dos estrangeiros no Brasil segundo autorizações de trabalho e registro de entradas e saídas da Polícia Federal. In: CNPD – Comissão Nacional de População e Desenvolvimento. Migrações internacionais – Contribuições para políticas. Brasília, 2001. p. 187-242.

BASSO, P. Sviluppo diseguale, migrazioni, politiche migratory. In: BASSO, P. PEROCOO, F. (Org.). Gli imiigrati in Europa: desiguaglianze, razzismo, lotte. Parte prima. Milão: Franco Angeli, 2003.

BINFORD, L. Remesas y subdesarrollo en México. Revista Relaciones, v. XXIII, n. 90, p. 11-158, Primavera 2002.

BOURDIEU, P. Questões de Sociologia. Tradução Miguel Serras Pereira. Lisboa: Editora Fim de Século, 2003.

BRODWIN, P. E. Marginality and subjectivity in the Haitian diaspora. Anthropological Quarterly, v. 76, n. 3, p. 383-410, 2003.

CANALES, A. E pur si muove – Elementos para una teoria de las migraciones en el capitalismo global. México: Universidad de Guadalajara, MAPorruá Editor, 2015.

CARTA CAPITAL – Ideias em tempo real. Seis imigrantes haitianos são baleados em São Paulo. São Paulo, 08/08/2015. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/parlatorio/seis-imigrantes-haitianos-sao-baleados-em-sao-paulo-9027.html. Acesso em: 26 jun. 2017.

CARVALHO, J. A. M. de. O saldo dos fluxos migratórios internacionais no Brasil na década de 80: uma tentativa de estimação. In: PATARRA, N. L. (Coord.). Migrações internacionais: herança XX, agenda XXI. Campinas: FNUAP, 1996. p. 217-226.

CASTOR, S. A transição haitiana: entre os perigos e a esperança. In: SADER, E. (Org.). Cadernos de Pensamento Crítico Latino-Americano. São Paulo: Expressão Popular/Clacso, 2008. v. 2.

_______. La occupación norteamericana de Haiti y sus consecuencias. México: Siglo Vientiuno, 1971.

CAVALCANTI, L.; OLIVEIRA, T.; TONHATI, T.; DUTRA. D. A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro. Relatório anual 2015. Brasília: Observatório das Migrações Internacionais; Ministério do Trabalho e Previdência Social/Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração, 2015.

CHARLES, C. Transnationalism in the construct of Haitian migrants’ racial categories of identity in New York City. Annals of the New York Academy of Science, v. 645, p. 101-123, 1992.

CLOCHARD, O. Les réfugiés dans le monde entre protection et illégalité. EchoGéo, v. 2, 2007.

CORTES, G.; FARET, L. Les circulations transnationales – Lire les turbulences migratoires contemporaines. Paris: Armand Colin, 2009.

COTINGUIBA, G. C. Imigração haitiana para o Brasil: a relação entre trabalho e processos migratórios. Dissertação (Mestrado em História e Estudo Culturais) – Fundação Universidade Federal de Rondônia (Unir), Porto Velho, 2014.

COVARRUBIAS, H. M. Desarrollo y migración: uma lectura desde la economia politica. Revista Migración y Desarrolo, n. 14, p. 59-87, 2010.

DE HASS, H. Migration and development: a theoretical perspective International Migration Review, v. 44, n. 1, p. 227-264, 2010.

DENIS, P. Le Brésilau XX siécle. Paris: Libraire Armand Colin, 1909.

DUMONT, G. Les nouvelles logiques migratoires au XXI esiècle. Outre-Terre, n. 17, p. 15-25, 2006.

FERNANDES, D. O Brasil e a migração internacional no século XXI: notas introdutórias. In: PRADO, E. J. P.; COELHO, R. (Org.). Migrações e trabalho. Brasília: Ministério Público do Trabalho, 2015.

_________. (Coord.). Projeto “Estudos sobre a Migração Haitiana ao Brasil e Diálogo Bilateral”. Belo Horizonte: TEM/IOM-OIM/PUC Minas/Gedep, 2014.

FERNANDES, D.; RIBEIRO, J. C. Migração laboral no Brasil: problemáticas e perspectivas. Cadernos Obmigra, v. 1, n. 1, p. 15-37, 2015.

FERNANDES, D.; MILESI, R.; FARIAS, A. Do Haiti para o Brasil: o novo fluxo migratório. Cadernos de Debates Refúgio, Migrações e Cidadania, v. 6, n. 6, p. 73-98, 2011.

GARCIA, R. A. Estimativas dos emigrantes internacionais do Brasil entre 1995 e 2000: uma aplicação do método das razões intercensitárias de sobrevivência. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 30, n. 1, p. 99-123, 2013.

GIDDINGS, L. S. Mixed-methods research: positivism dressed in drag? J. Res. in Nursing, v. 11, n. 3, p. 195-203, 2006.

GLICK-SCHILLER, N. Methodological nationalism, the social sciences, and the study of migration: an essay in historical epistemology. International Migration Review, v. 37, n. 3, p. 576-610, Sep. 2003.

_________. The centrality of ethnography in the study of transnational migration – seeing the wetland instead of the swamp. In: SAHOO, A. K.; MAHARAJ, B. Sociology of diaspora – a reader. India: Rawat Publications, 2007. p. 118-155.

GRONDIN, M. Haiti: cultura, poder e desenvolvimento. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

GUARNIZO, L.; PORTES, A.; HALLER, W. Assimilation and transnationalism: determinants of transnational political action among contemporary migrants. American Journal of Sociology, v. 108, n. 6, p. 1211-1248, 2003.

HAMMAR, T. European immigration policy. A comparative study. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 2009.

HANDERSON, J. Diáspora, sentidos sociais e mobilidades haitianas. Horizontes Antropológicos, ano 21, n. 43, p. 51-78, 2015.

ICMPD – International Centre for Migration Policy Develpment. Relatório do Projeto MT Brasil. 2016.

JAMES, E. C. Democratic insecurities: violence, trauma, and intervention in Haiti. Berkeley, CA: University of California Press, 2010.

JOHNSON, R. B.; ONWUEGBUZIE, A. J. Mixed methods research: a research paradigm whose time has come. Educational Researcher, v. 33, n. 7, p. 14-26, 2004.

JOHNSON, R. B.; ONWUEGBUZIE, A. J.; TURNER, L. A. Toward a definition of mixed methods research. Journal of Mixed Methods Research, v. 1, n. 2, p.112-133, 2007.

LAGUERRE, M. Homeland political crisis, the virtual diasporic public sphere, and diasporic politics. Journal of Latin American Anthropology, v. 10, n. 1, p. 206-225, 1998.

LEVITT, P.; GLICK-SCHILLER, N. Conceptualizing simultaneity – a transnational social field perspective on society. In: SAHOO, A. K.; MAHARAJ, B. Sociology of diaspora – a reader. India: Rawat Publications, 2007. p. 156-193.

LUCE, M. S. A teoria do subimperialismo em Ruy Mauro Marini: contradições do capitalismo dependente e a questão do padrão de reprodução do capital. A história de uma categoria. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

_________. O subimperialismo brasileiro revisitado: a política de integração regional do governo Lula (2003 – 2007). Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

LUBKEMANN, S. C. Embedded time and disperced place: displacement and gendered differences in Mozambican “lifespace”. In: XXIV IUSSP CONGRESS. Anais... Salvador, Brazil, 2001.

MAGALHÃES, L. F. A. O Haiti é aqui: análise das informações sobre os imigrantes haitianos em Santa Catarina – Brasil. In: VI CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO LATINO-AMERICANA DE POPULAÇÃO. Anais... Lima, Peru, 2014.

_________. A imigração haitiana em Santa Catarina: perfil sociodemográfico do fluxo, contradições da inserção laboral e dependência de remessas no Haiti. Tese (Doutorado) – Departamento de Demografia, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 2017.

MESQUITA, R. B.; BAENINGER, R.; Integração regional e fronteiras: desafios para a governança das migrações internacionais na América Latina. In: VIII CONGRESO DEL CONSEJO EUROPEU DE INVESTIGACIONES SOBRE AMÉRICA LATINA. Anais... Espanha: Universidad de Salamanca, junho-julho, 2016.

METZNER, T. La migración haitiana hacia Brasil: estúdio em el país de origem. Cadernos Migratorios, n. 6. p. 15-33, 2014.

MOREIRA, J. B. Política em relação aos refugiados no Brasil (1947-2010). Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 2012.

MOROKVASIC, M. La mobilité transnacionale comme resource: le cas des migrants de l´Europe de l’Est. Cultures et Conflits, n. 32, p. 2-12, 2002.

OLIVEIRA, A. T. de; COSTA, C. D. A.; ALBUQUERQUE, F. R. P. C.; OLIVEIRA, J. C.; MONTEIRO, V. S. Notas sobre a migração internacional no Brasil na década de 80. In: PATARRA, N. L. (Coord.). Migrações internacionais: herança XX, agenda XXI. Campinas: FNUAP, 1996. p. 227-238.

PATARRA, N. Brasil: país de imigração? Revista E-Metropolis, n. 9, ano 3, junho de 2012. p. 1-18.

PESSAR, P.; MAHLER, S. Transnational migration: bringin gender in. International Migration Review, v. 37, n. 3, p. 812-846, 2003.

PESSAR, P. The linkage between the household and workplace of Dominican women in the U.S. International Migration Review, v. 18, n. 4, p. 1188-1211, 2000.

PORTES, A. La mondialisation par lebas – l’émergence des communautés transnationales. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, v. 129, n. 1, p. 15-25, 1999.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

SASSEN, S. Sociologia da globalização. Porto Alegre: Editora Artmed, 2010.

_________. The mobility of labor and capital. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 1988.

SEGUY, F. A catástrofe de janeiro de 2010, a “Internacional Comunitária” e a recolonização do Haiti. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 2014.

SILVA, S.; ASSIS, G. O. Em busca do Eldorado. O Brasil no contexto das migrações nacionais e internacionais. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2016.

SILVA, S. Aqui começa o Brasil: haitianos na tríplice fronteira e Manaus. In: SILVA, S. (Org.). Migrações na Pan-Amazônia. Manaus: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas – Fapeam, 2012. p. 300-332.

SIMON, G. Géodynamique des migrations internationales dans le monde. Paris: PUF, 1995.

STEPICK, A.; STEPICK, C.; TEED, D; LABISSIERE, Y. Shifting identities and intergenerational conflict: growing up Haitian in Miami. In: RUMBAUT, R.; PORTES, A. (Ed.). Ethnicities: children of immigrants in America. Berkeley: University of California Press, 2001. p. 229-267.

WENDEN, C. Un essai de typologie des nouvelles mobilités. Hommes & Migration, n. 1233, p. 5-12, 2001.

WIMMER, A.; GLICK-SCHILLER, N. Methodological nationalism and beyond: nation-state building, migration and the social sciences. Global Networks, v. 4, n. 2, p. 303-334, 2002.

ZEPHIR, F. The new Americans: the Haitian Americans. Westport, CT: Greenwood Press, 2004.

Publicado
2017-08-23
Como Citar
Baeninger, R., & Peres, R. (2017). Migração de Crise: a migração haitiana para o Brasil. Revista Brasileira De Estudos De População, 34(1), 119-143. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0017
Seção
Artigos originais