Um estudo sobre a filiação religiosa no Brasil entre 1980 e 2010: efeitos de idade, período e coorte

  • Raquel Zanatta Coutinho University of North Carolina
  • André Braz Golgher Cedeplar/UFMG
Palavras-chave: Afiliação religiosa, Idade-período-coorte, Modelos de efeitos randômicos com classificação-cruzada, Brasil

Resumo

Houve uma marcante redução no número relativo de católicos no Brasil nas últimas décadas, fato que é associado, principalmente, ao crescimento das igrejas pentecostais e neopentecostais, bem como ao aumento no número de pessoas sem filiação religiosa. Foram analisados os efeitos de idade, período e coorte associados à filiação religiosa no Brasil entre 1980 e 2010, com o uso do modelo idadeperíodo-coorte hierárquico e modelos de efeitos randômicos com classificação-cruzada. Observaram-se efeitos de idade significativos, mas de pequena magnitude para católicos e pentecostais, e efeitos substanciais para aqueles sem filiação religiosa, sendo essa com uma relação negativa. Para as duas primeiras afiliações, os efeitos de período eram de maior magnitude e com tendências claras: negativa para católicos e positiva para pentecostais. Os efeitos de coorte foram significativos para as três afiliações, mas as magnitudes foram menores do que para dos dois outros efeitos. Também verificou-se que a propensão em ser pentecostal diminui com o nível de educação, sendo que o contrário ocorre para pessoas sem religião. Entretanto, esses efeitos são menos marcantes para coortes mais jovens, possivelmente por causa da natureza menos seletiva da educação superior atualmente no Brasil e do aumento generalizado dos níveis de educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-06-30
Como Citar
Coutinho, R. Z., & Golgher, A. B. (2014). Um estudo sobre a filiação religiosa no Brasil entre 1980 e 2010: efeitos de idade, período e coorte. Revista Brasileira De Estudos De População, 31(1), 73-98. Recuperado de https://rebep.org.br/revista/article/view/643
Seção
Artigos originais