Reconstituir famílias e demarcar diferenças: virtualidades da metodologia para o estudo de grupos étnicos

  • Sergio Odilon Nadalin UFPR
Palavras-chave: Reconstituição de famílias, Imigração germânica, Contatos culturais, Fronteiras étnicas e etnicidade

Resumo

Este artigo pretende revisitar alguns textos concernentes a um grupo de imigrantes de origem germânica e seus descendentes em Curitiba (Paraná), marcando as virtualidades da metodologia das reconstituições familiares. Seu conteúdo considera uma necessária atitude crítica que pautou o desenvolvimento desses trabalhos, tendo em vista principalmente as limitações da metodologia e das próprias fontes “paroquiais”. Os primeiros resultados centraram-se em estudos de fecundidade de três coortes de casamentos (1866-1939) e, na continuidade, desenvolveram-se esforços no sentido de explorar a base de dados com objetivos que extrapolaram a demografia histórica stricto sensu. O quadro teórico da investigação está alicerçado numa história da construção de fronteiras étnicas, tendo como horizonte a imigração européia, a urbanização, questões político-ideológicas e a história de uma instituição religiosa.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-08-19
Como Citar
Nadalin, S. O. (2013). Reconstituir famílias e demarcar diferenças: virtualidades da metodologia para o estudo de grupos étnicos. Revista Brasileira De Estudos De População, 24(1), 5-18. Recuperado de https://rebep.org.br/revista/article/view/199
Seção
Artigos originais