Em direção a uma demografia ambiental? Avaliação e tendências dos estudos de população e ambiente no Brasil

  • Eduardo Marandola Jr. Nepo/Unicamp
  • Daniel Joseph Hogan Nepo/Unicamp
Palavras-chave: GT População e Meio Ambiente da Abep, Epistemologia e metodologia da Demografia, Distribuição espacial da população

Resumo

As Ciências Sociais foram as últimas a aceitar e incorporar a temática ambiental em seus respectivos temas de pesquisa. Entre elas, a Demografia talvez tenha sido a última a fazer esta conversão, incluindo aos poucos questões referentes à relação população/ambiente. O debate tem convergido para a crescente incorporação da dimensão espacial, sempre presente, mesmo não sendo o eixo central nos estudos demográficos, mas que na discussão ambiental se mostra preponderante. O desenvolvimento do campo, embora rápido e promissor, tem encontrado dificuldades inerentes a áreas de estudo que tendem à interdisciplinaridade, localizando-se na periferia de uma ciência em interface com outras. No Brasil, tais estudos também têm evoluído nas últimas duas décadas, sendo importante para seu delineamento a produção do Grupo de Trabalho “População e Meio Ambiente”, da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, privilegiado foco difusor destas preocupações no país. Em vista disso, este artigo procura refletir sobre a produção do grupo, na expectativa de trazer à tona alguns elementos acerca dos métodos, temas e problemáticas abordadas ao longo dos anos, no sentido de localizar em que ponto deste desenvolvimento se encontra a temática hoje, e quais as perspectivas e os desafios que se abrem para o futuro.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-08-14
Como Citar
Marandola Jr., E., & Hogan, D. J. (2013). Em direção a uma demografia ambiental? Avaliação e tendências dos estudos de população e ambiente no Brasil. Revista Brasileira De Estudos De População, 24(2), 191-223. Recuperado de https://rebep.org.br/revista/article/view/186
Seção
Artigos originais