O efeito da educação no dividendo demográfico: uma análise do caso brasileiro

Palavras-chave: Dividendo demográfico, Contas Nacionais de Transferência (CNT), Educação

Resumo

O dividendo demográfico tem despertado interesse entre demógrafos e economistas por ser visto como uma janela de oportunidade para o desenvolvimento econômico dos países que vivenciam a transição demográfica. É possível questionar a virtuosidade do dividendo puramente demográfico no crescimento econômico. Crespo-Cuaresma et al. (2014) observaram que a expansão educacional tem papel importante nos ganhos econômicos durante o dividendo demográfico. Para verificar esse resultado para o caso brasileiro, realizamos um exercício de decomposição da razão de suporte econômico (ESR), uma alternativa à taxa de dependência demográfica na análise do primeiro dividendo demográfico. A simulação realizada para o período entre 1970 e 2100, considerando três cenários de expansão educacional, mostrou que a ampliação do nível de escolaridade foi e será responsável pela maior parte dos ganhos econômicos do período do dividendo demográfico, superando o efeito da mudança da composição etária. Além disso, o aumento da população em idade ativa com ensino superior tende a potencializar esse resultado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Guimarães de Melo, Fundação Getúlio Vargas

Bruno Guimarães de Melo has a Master in Demography from Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). He is a researcher at Center for Learning on Evaluation and Results (Clear) in Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Eduardo Rios-Neto, IBGE

Eduardo Rios-Neto has Ph.D. in Demography from University of California Berkeley. He is research director of Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) and retired full teacher at the Demography Department in Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

BLOOM, D. E., WILLIAMSON, J. G. Demographic transitions and economic miracles in emerging Asia. World Bank Economic Review, v. 12, n. 3, p. 419-455, 1998.

BONGAARTS, J. The causes of educational differences in fertility in sub-Saharan Africa. Vienna Yearbook of Population Research, v. 8, p. 31-50, 2010.

CRESPO-CUARESMA, J.; LUTZ, W.; SANDERSON, W. C. Is the demographic dividend an education dividend? Demography, v. 51, n. 1, p. 299-315, 2014.

CARVALHO, J. A. M.; WONG, L. A. Window of opportunity: some demographic and socioeconomic implication of rapid fertility decline in Brazil. Belo Horizonte: Cedeplar/ UFMG, 1995. (Texto para discussão, 91).

CUTLER, D.; POTERBA, J.; SHEINER, L.; SUMMERS, L.; AKERLOF, J. An aging society: opportunity or challenge. Brookings Papers on Economic Activity, v. 21, n. 1, p. 1-73, 1990.

DAS GUPTA, P. Standardization and decomposition of rates: a user’s manual. US Bureau of Census, Current Population Reports, Series P23-186. Washington, DC: US Government Printing Office, 1993.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema de Contas Nacionais: Brasil. Rio de Janeiro, 2016. Available at: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/contas-nacionais/9052-sistema-de-contas-nacionais-brasil.html.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 – POF. Rio de Janeiro, 2010.

MANKIW, N. G.; ROMER, D.; WEIL, D. W. A contribution to the empirics of economic growth. Quarterly Journal of Economics, v. 107, n. 2, p. 407-437, 1992.

MASON, A. Demographic transition and demographic dividends in developed and developing countries. In: UNITED NATIONS EXPERT GROUP MEETING ON SOCIAL AND ECONOMIC IMPLICATIONS OF CHANGING POPULATION AGE STRUCTURE. Proceedings [...]. Mexico City: United Nations, Population Division, 2005.

MASON, A.; LEE, R. Reform and support systems for the elderly in developing countries: Capturing the second demographic dividend. Genus, v. 52, n. 2, p. 11-35, 2006.

MENEZES, F. N.; FERNANDES, R.; PICHETTI, P. Educação e queda recente da desigualdade no Brasil. In: BARROS, R. P.; FOGUEL, M. N.; ULYSSEA, G. (org.). Desigualdade de renda no Brasil: uma análise da queda recente. Brasília: Ipea, 2007. p. 285-304.

OOSTHUIZEN, M. Bonus or mirage? South Africa’s demographic dividend. Journal of the Economics of Ageing, v. 5, p. 14-22, 2015.

PRSKAWETZ, A.; SAMBT, J. Economic support ratios and the demographic dividend in Europe. Demographic Research, v. 30, n. 34, p. 963-1010, 2014.

QUEIROZ, B. L.; TURRA, C. M. Window of opportunity: socioeconomic consequences of demographic changes in Brazil. Washington, DC: NTA, 2010.

RENTERÍA, E.; SOUTO, G.; MEJÍA-GUEVARA, I.; PATXOT, C. The effect of education on the demographic dividend. Population and Development Review, v. 42, n. 4, p. 651-671, 2016.

ROSERO-BIXBY, L. Generational transfers and population aging in Latin America. Population and Development Review, v. 37, suppl., p. 143-157, 2011.

SOLOW, R. M. A contribution to the theory of economic growth. Quarterly Journal of Economics, v. 70, p. 65-94, 1956. DOI:10.2307/1884513.

UNITED NATIONS. National transfer accounts manual. Measuring and analysing the generational economy. New York: Population Division, Department of Economic and Social Affairs, United Nations Publication, 2013.

WICD – Wittgenstein Centre for Demography and Global Human Capital. Wittgenstein Centre Data Explorer Version 1.2. 2015. Available at: http://www.wittgensteincentre.org/dataexplorer.

Publicado
2020-08-21
Como Citar
Guimarães de Melo, B., & Rios-Neto, E. (2020). O efeito da educação no dividendo demográfico: uma análise do caso brasileiro. Revista Brasileira De Estudos De População, 37, 1-15. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0119
Seção
Artigos originais