“Quem leva a pior?” Nordestinos e bolivianos no mercado de trabalho paulista

Palavras-chave: Imigração, Mercado de Trabalho, São Paulo

Resumo

O artigo compara os diferenciais de rendimento do trabalho de bolivianos e nordestinos no Estado de São Paulo, com base nos dados do Censo Demográfico de 2010. A estratégia de comparar migrantes internos com os internacionais é uma forma de tentar entender como operam os mecanismos de seletividade, adaptação e discriminação por origem. Foram utilizados modelos estatísticos para controlar as análises e saber se bolivianos e nordestinos com características as mais próximas possíveis em termos de variáveis censitárias apresentariam um diferencial de salário, deixando apenas o local de nascimento como variável discriminante. Verificamos, a partir da decomposição dos diferenciais de salário, que os atributos produtivos desses imigrantes são valorizados de maneira diferente. As análises demonstram que os bolivianos “levam a melhor” quando comparados com nordestinos, que se encontram em uma situação pior dada a menor valorização de seus atributos individuais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUER JÚNIOR, D. M. de. Preconceito contra origem geográfica e de lugar: as fronteiras da discórdia. São Paulo: Cortez, 2012.

AYDEMIR, A. Are immigrants positively or negatively selected? The role of immigrant selection criteria and self-selection. 2003.

BAENINGER, R. O. Imigração boliviana no Brasil. Campinas: Núcleo de Estudos de População – Nepo/Unicamp; Fapesp; CNPq; Unfpa, 2012.

BAENINGER, R. São Paulo e suas migrações no final do século XX. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 3, p. 84-96, 2005.

BECKER, G. Investment in human capital: a theoretical analysis. Journal of Political Economy, v. 70, n. 5, p. 9-49, 1962.

BILSBORROW, R. E.; OBERAI, A. S.; STANDING, G. Migration survey in low income countries: guidelines for survey and questionnaire design. London; Sidney: Croom Helm, 1984.

BONASSI, M. Canta, América sem fronteiras! Imigrantes latino-americanos no Brasil. São Paulo: Loyola, 2000.

BORJAS, G. J. The economics of immigration. Journal of Economic Literature, v. 32, n. 4, p. 1667-1717, 1994.

BORJAS, G. J. Wage trends among disadvantaged minorities. In: BLANK, R. M.; DANZIGER, S. H. et al. (ed.). Working e poor: how economic and policy changes are affecting low-wage workers. New York: Russel Sage Foundation, 2008. p. 59-86.

BRASIL. Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas – Ipea. Perfil dos migrantes em São Paulo. Brasília, 2011.

BRETTELL, C.; HOLLIFIELD, J. F. Migration theory: talking across disciplines. New York; London: Routledge, 2000.

CHISWICK, B. R. Are immigrantes favorably self-selected? The American Economic Review, v. 89, n. 2, p. 181-185, 1999.

COUTINHO, B. I. Imigração laboral e o setor têxtil-vestuário de São Paulo: notas sobre a presença boliviana nas confecções de costura. REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, v. 4, n. 1, 2011.

DEHEJIA, R. H.; WAHBA, S. Propensity score-matching methods for nonexperimental causal studies. The Review of Economics and Statistics, v. 84, n. 1, p. 151-161, 2002.

FLEISCHMANN, F.; DRONKERS, J. Unemployment among immigrants in European labour markets: an analysis of origin and destination effects. Work, Employment and Society, v. 24, n. 2, p. 337-354, 2010.

FREITAS, P. D. T. Imigração boliviana para São Paulo e setor de confecção – em busca de um paradigma analítico alternativo. In: BAENINGER, R. (ed.). Imigração boliviana no Brasil. Campinas: Núcleo de Estudos de Populações – Nepo/Unicamp, 2012. p. 155-178.

GOMES, S. D. C. Uma inserção dos migrantes nordestinos em São Paulo: o comércio de retalhos. Imaginário, v. 12, n. 13, p. 143-169, 2006.

HECKMAN, J. J. Sample selection bias as a specification error. Econometrica, v. 47, n. 1, p. 153-162, 1979.

JANN, B. A stata implementation of the Blinder-Oaxaca decomposition. Zurich: ETH Zurich, 2008. (ETH Zurich Sociology Working Papers).

JANNUZZI, P. de M. Migração e mobilidade social: migrantes no mercado de trabalho paulista. Campinas: Autores Associados, 2000.

JONG, G. F. D.; MADAMBA, A. B. A double disadvantage? Minority group, immigrant status, and underemployment in the United States. Social Science Quarterly, v. 82, n. 1, p. 117-129, 2001.

KASNITZ, P.; MOLLENKOPF, J. H.; WATERS, M. C. Becoming New Yorkers: ethnographies of the new second generation. New York: Russell Sage Foundation, 2004.

KESLER, C.; HOUT, M. Entrepreneurship and immigrant wages in US labor markets: a multi-level approach. Social Science Research, v. 39, n. 2, p. 187-201, Mar. 2010.

LEE, E. S. A theory of migration. Demography, v. 3, n. 1, p. 47-57, Jan. 1966.

MAGALHÃES, V. B. de. Nordestinos na zona leste de São Paulo: subjetividade e redes de migrantes. Travessia – Revista do Migrante, v. 28, n. 76, p. 99-112, 2015.

MASSEY, D. et al. Worlds in motion: understanding international migration at the end of the millennium. Oxford: Clarendon Press, 1998.

MINCER, J. Investment in human capital and personal income distribution. Journal of Political Economy, v. 66, n. 4, p. 281-302, 1958.

MORGAN, L.; ARTHUR, M. Methodological consideration in estimating the gender pay gap for employed professionals. Sociological Methods & Research, v. 33, n. 3, p. 383-403, 2005.

OAXACA, R. Male-female wage differentials in urban labor markets. International Economic Review, v. 14, p. 693-709, 1973.

PENNA, M. Caçando um lugar: a identidade regional no trajeto da exclusão. Travessia – Revista do Migrante, v. VII, n. 19, p. 17-19, 1994.

PÓVOA NETO, H. A produção de um estigma: Nordeste e nordestinos no Brasil. Travessia – Revista do Migrante, v. VII, n. 19, p. 20-22, 1994.

PUCCI, F. M. S.; VÉRAS, M. P. B. Bolivianos em São Paulo: territórios e alteridade. PLURAL – Revista do Programa de Pós Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo, v. 24, n. 2, p. 276-299, 2017.

RIBEIRO, C. A. C. Classe e gênero no Brasil contemporâneo: mobilidade social, casamento e divisão do trabalho doméstico. In: ARAÚJO, C.; SCALON, C. Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005. p. 173-201.

ROSENBAUN, P. R.; RUBIN, D. B. The central role of propensity score in observational studies for causal effects. Biométrika, v. 70, n. 1, p. 41-55, 1983.

ROTH, W. D. Race migrations: latinos and the cultural transformation of race. Stanford, CA: Stanford University Press, 2012.

SALA, G. A. Características demográficas e sócio-ocupacionais dos migrantes nascidos nos países do Cone Sul residentes no Brasil. 2005. 243 f. Tese (Doutorado em Demografia) – Departamento de Demografia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

SANTOS, J. A. F. A interação estrutural entre a desigualdade de raça e de gênero no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 24, n. 70, p. 37-60, 2009.

SCHMIDT FILHO, R.; MONTE, P. A. D.; MICELI, M. Um estudo comparativo das disparidades salariais entre os migrantes nordestinos e os nativos paulistas no mercado de trabalho em São Paulo. Revista de Economia, v. 35, n. 1, p. 31-52, 2009.

SILVA, S. A. "A praça é nossa"! Faces do preconceito num bairro paulistano. Travessia, v. XVII, n. 51, 2005.

SILVA, S. A. Bolivianos em São Paulo: entre o sonho e a realidade. Estudos Avançados, v. 20, n. 57, p. 157-170, 2006.

SILVA, S. A. Costurando sonhos. Trajetória de um grupo de imigrantes bolivianos em São Paulo. São Paulo: Paulinas, 1997.

SOUCHAUD, S. A confecção: nicho étnico ou nicho econômico para a imigração latino-americana em São Paulo? In: BAENINGER, R. (ed.). Imigração boliviana no Brasil. Campinas: Núcleo de Estudos de População (Nepo/Unicamp); Fapesp; CNPq; UNFPA, 2012. p.75-93.

SOUCHAUD, S. A imigração boliviana em São Paulo. In: FERREIRA, A. P. E. A. (ed.). A experiência migrante: entre deslocamentos e reconstruções. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. p.267-290.

VAN TUBERGEN, F.; MAAS, I.; FLAP, H. The economic incorporation of immigrants in 18 western societies: origin, destination, and community effects. American Sociological Review, v. 69, n. 5, p. 704-727, 2004.

VILELA, E. M. Desigualdade e discriminação de imigrantes internacionais no mercado de trabalho brasileiro. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 54, n. 1, p. 89-129, 2011.

VILELA, E. M. Imigração internacional e estratificação no mercado de trabalho brasileiro. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Departamento de Sociologia e Antropologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

VILELA, E. M.; COLLARES, A. C. M.; AYER DE NORONHA, C. L. A situação socioeconômica de minorias étnico/raciais no mercado de trabalho brasileiro. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 36. Anais […]. Águas de Lindóia: Anpocs, 2012.

ZAVODNY, M. Determinants of immigrant selectivity and skills. Research in Labor Economics, v. 22, p. 269-289, 2003.

Publicado
2019-11-04
Como Citar
Noronha, C. A., Vilela, E., & Campos, M. (2019). “Quem leva a pior?” Nordestinos e bolivianos no mercado de trabalho paulista. Revista Brasileira De Estudos De População, 36, 1-25. https://doi.org/10.20947/s0102-3098a0082
Seção
Artigos originais