Um espaço, dois momentos epidêmicos: surtos de febre amarela (1896-1897) e de gripe (1918-1919) em Campinas, estado de São Paulo

  • Maria Silvia Beozzo Bassanezi Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó" - Nepo / Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
  • Maisa Faleiros Cunha Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó" - Nepo / Universidade Estadual de Campinas - Unicamp.
Palavras-chave: Epidemias, Mortalidade, Campinas, Final do século XIX-primeiras décadas do século XX

Resumo

Este estudo analisa a mortalidade por epidemias de febre amarela (1896-1897) e de gripe (1918-1919), registradas no município de Campinas (SP, Brasil), no período de predomínio da economia cafeeira, de imigração de massa e de pré-transição demográfica e epidemiológica – finais do século XIX e primeiras décadas do XX. Tais epidemias – transmitidas por diferentes agentes transmissores –ocorreram em momentos, sazonalidade e ritmos distintos, atingindo de forma diferente os vários segmentos populacionais. Elas disseminaram-se na população local muito em função da grande mobilidade populacional, facilitada pela expansão da rede ferroviária paulista, das condições sanitárias e de vida das pessoas atingidas e da atuação dos órgãos governamentais. Consequentemente, houve implicações na dinâmica e evolução demográfica do município e nas políticas de saúde pública. O presente estudo fez uso de informações contidas nas atas do Registro Civil de óbitos desse município, nos Anuários do Serviço Sanitário do Estado de São Paulo, censos e fontes de época de caráter mais qualitativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Silvia Beozzo Bassanezi, Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó" - Nepo / Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Pesquisadora do Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó" (NEPO) da Universidade Estadual de Campinas. A pesquisa que originou este artigo foi desenvolvida no âmbito de Bolsa PQ/CNPq (2014-2018).
Maisa Faleiros Cunha, Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó" - Nepo / Universidade Estadual de Campinas - Unicamp.

Pesquisadora do Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó" (NEPO) da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BASSANEZI, M. S. C. B. Uma trágica primavera. A epidemia de gripe de 1918 no estado de São Paulo, Brasil. In: BAENINGER, R.; DEDECCA, C. S. (org.). Processos migratórios no estado de São Paulo: estudos temáticos. Campinas, SP: Nepo/Unicamp, 2013.

BERTUCCI-MARTINS, L. M. Memória que educa. Epidemias do final do século XIX e início do século XX. Educar, Curitiba, PR, n. 25, p. 75-89, 2005.

CELTON, D. Enfermedad y crisis de mortalidad en Córdoba, Argentina entre los siglos XVI y XX. In: MIRÓ, C.; SÁNCHEZ ALBORNOZ, N. (org.). Cambios demográficos en America Latina: la experiencia de cinco siglos. Córdoba: Universidad Nacional de Córdoba; IUSSP, 1998.

LAPA, J. R. A. A cidade: os cantos e os antros: Campinas 1850-1900. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1996.

LEVY, M. S. F. O papel da migração internacional na evolução da população brasileira (1872-1972). Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 8, supl., p. 49-90, 1974.

MORAES, G. S. Um olhar sobre a mortalidade em Campinas no final do século XIX: imigrantes e nativos. 2014. 137 f. Dissertação (Mestrado em Demografia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2014.

RIBEIRO, M. A. História sem fim... um inventário da saúde pública, São Paulo – 1880-1930. 1991. 407 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1991.

SANTOS FILHO, L. C.; NOVAES, J. N. A febre amarela em Campinas 1889-1900. Campinas, SP: CMU/Unicamp, 1996.

SÃO PAULO (Estado). Directoria do Serviço Sanitario do Estado de São Paulo. Annuario Demographico: secção de estatística demographo-sanitaria. Anno XXV – 1918. São Paulo: Typographia do Diario Official, v. II, 1920.

SÃO PAULO (Estado). Directoria do Serviço Sanitario do Estado de São Paulo. Annuario Demographico: secção de estatística demographo-sanitaria. Anno XXVI – 1919. São Paulo: Typographia do Diario Official, v. I, 1921.

SÃO PAULO (Estado). Relatorio do Anno de 1896 apresentado em 30 de setembro de 1897 ao Cidadão Antonio Dino d Costa Bueno secretario de Estado dos Negócios do Interior pelo Dr. Antonio de Toledo Piza (Director). Repartição de Estatística e Archivo de São Paulo, São Paulo, 1897.

SÃO PAULO (Estado). Relatorio do Anno de 1897 apresentado em 30 de setembro de 1898 ao Cidadão João Baptista de Mello Peixoto secretario de Estado dos Negócios do Interior pelo Dr. Antonio de Toledo Piza (Director). Repartição de Estatística e Archivo de São Paulo, São Paulo, 1899.

SÃO PAULO (Estado). Serviço Sanitario do Estado de São Paulo. Annuario Demographico: secção de estatística demographo-sanitaria. Anno XXXVI – 1929. São Paulo: Imprensa Oficial, v. I, 1932.

SIMÕES, A. Tratamento da febre amarela pela água clorada. Rio de Janeiro: Typographia Besnard Frères, 1897.

TELAROLLI JÚNIOR, R. Poder e saúde: as epidemias e a formação dos serviços de saúde em São Paulo. São Paulo: Editora da Unesp, 1996.

Publicado
2019-12-02
Como Citar
Bassanezi, M. S. B., & Cunha, M. F. (2019). Um espaço, dois momentos epidêmicos: surtos de febre amarela (1896-1897) e de gripe (1918-1919) em Campinas, estado de São Paulo. Revista Brasileira De Estudos De População, 36, 1-29. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0088
Seção
Artigos originais