Migrações internacionais no Brasil no período 2005-2010, com ênfase nos efeitos diretos e indiretos da imigração de retorno dos brasileiros

  • José Alberto Magno de Carvalho Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR/UFMG) e Professor Emérito da UFMG
  • Járvis Campos Professor Adjunto do Departamento de Demografia e Ciências Atuariais (DDCA/UFRN)
  • José Irineu Rangel Rigotti Professor Adjunto do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR/UFMG)
  • Breno Aloísio Torres Duarte de Pinho Professor Adjunto da Universidade Federal do Ceará (UFC)
Palavras-chave: Brasil, Imigração internacional, Emigração internacional, Imigração de Retorno Internacional, Efeitos diretos e Indiretos da Imigração de Retorno Internacional.

Resumo

O objetivo do artigo é analisar as migrações internacionais do Brasil no período 2005-2010, com ênfase especial na imigração de retorno de brasileiros e seus efeitos indiretos, tendo como fonte o Censo Demográfico de 2010. Num primeiro momento, são examinadas as informações de imigração internacional, com base nos quesitos de última etapa e data fixa, assim como as emigrações para o exterior, a partir do novo quesito introduzido no último censo. Num segundo
momento, são estimados os efeitos indiretos da imigração de retorno internacional para o Brasil. Entre os resultados, observou-se que o volume de imigrantes e emigrantes é relativamente pequeno, em relação ao tamanho da população brasileira, e a diferença entre as migrações internacionais de última etapa levaria a uma conclusão equivocada, de pequeno saldo negativo no quinquênio 2005-2010. Porém, ao se considerarem os imigrantes cuja última etapa migratória é interna e que em 2005 residiam no exterior, o saldo migratório torna-se positivo. Pode-se afirmar que as migrações internacionais no período 2005-2010 não impactaram, de maneira
significativa, o tamanho e a composição da população brasileira. Dos 361,8 mil imigrantes internacionais de última etapa do período 2005-2010, 68,8% eram brasileiros natos. Quando se levam em conta seus efeitos indiretos, conclui-se que a migração de retorno no Brasil, no
período, explica 75,5% dos seus fluxos imigratórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAENINGER, R.; LEONCY, C. Perfil dos estrangeiros no Brasil segundo autorizações de trabalho (Ministério do Trabalho e Emprego) e registros de entradas e saídas da Polícia Federal (Ministério da Justiça). In: CASTRO, M. G. (Coord.). Migrações internacionais: contribuições para políticas. Brasília, DF: Comissão Nacional de População e Desenvolvimento – CNPD, 2001. p. 187-242.

BELL, M. et al. Cross-national comparison of internal migration: issues and measures. Journal of the Royal Statistical Society, v.165, n.3, p. 435-464, 2002.

BILSBORROW, R. E. et al. International migration statistics: guidelines for improving data collection systems. Geneva: International Labour Office – ILO, 1997.

CAMPOS, M. B. Estimativas de migração internacional no Brasil: os velhos e os novos desafios. In: IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Org.). Reflexões sobre os deslocamentos populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

_________. Medidas de emigración internacional basadas en la información proporcionada por personas que convivieron con los emigrantes: la experiencia brasileña con el Censo Demográfico de 2010. Notas de Población, v. 98, p. 103-123, 2014.

CAMPOS, M. B.; MACEDO, D. R. Agrupamentos de emigração internacional no Brasil: o papel das redes sociais na formação dos espaços de emigração. Geografia, Rio Claro, v. 39, n. 2, p. 257-272, maio/ago. 2014.

CARVALHO, J. A. M.; CAMPOS, M. B. A variação do saldo migratório internacional do Brasil. Estudos Avançados, v. 20, n. 57, p.55-58, maio/ago. 2006.

CARVALHO, J. A.; RIGOTTI, J. I. Os dados censitários brasileiros sobre migrações internas: algumas sugestões para análise. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 15, n. 2, p. 7-17, 1998.

CARVALHO, J. A. M. Migrações internas: mensuração direta e indireta. Revista Brasileira de Estatística, v. 43, n. 171, p. 549-583, jul./set. 1982.

ERVATTI, L. R.; OLIVEIRA, A. T. R. de. Perspectivas para a mensuração do fenômeno migratório no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 17, 2010, Caxambu. Anais... Belo Horizonte: Associação Brasileira de Estudos Populacionais – Abep, 2010.

HILL, K. Estimación de la emigración por edades a partir de la información sobre residencia de hermanos Notas de Población, San José, ano VII, n. 21, 1979. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: resultados gerais da amostra – microdados. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/resultados_gerais_amostra/resultados_gerais_amostra_tab_uf_microdados.shtm. Acesso em: jan. 2016.

LEE, E. S. et al. Population redistribution and economic growth: United States – 1870-1950. Philadelphia: The American Philosophical Society, v.1, 1957.

OLIVEIRA, A. T. R. Um panorama da migração internacional a partir do Censo Demográfico de 2010. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, v. 21, n. 40, p. 195-210, 2013.

UNITED NATIONS. Recommendations on statistics of international migration. Rev. 1. New York: United Nations, Department of International Economic and Social Affairs, 1998.

RIBEIRO, J. Estimativa da migração de retorno e de alguns de seus efeitos demográficos indiretos no Nordeste brasileiro, 1970/1980 e 1981/1991. 1997. 206 f. Tese (Doutorado em Demografia) – Cedeplar/Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1997.

RIGOTTI, J. I. R. Información de los censos demográficos del Brasil sobre migraciones internas: críticas e sugerencias para elanálisis. Notas de Población, San José, n. 88, p. 219-244, 2010.

_________. Técnicas de mensuração das migrações, a partir de dados censitários: aplicação aos casos de Minas Gerais e São Paulo. 1999. 142 f. Tese (Doutorado em Demografia) – Cedeplar/Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1999.

ROGERS, A.; CASTRO, L. J. Model migration schedules. Austria: International Institute for Applied System Analysis, 1981.

SOARES, W.; FAZITO, D.; FARIA, S. D. Do método para estimar o tamanho médio das redes pessoais e o tamanho de populações difíceis de contar. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 29, n. 1, p. 101-115, 2012.

SOMOZA, J. Una idea para estimar la población emigrante por sexo y edad en el censo de un país. Santiago: Comisión Económica para América Latina y el Caribe – Cepal, 1977.

UNITED NATIONS. Manual VI: Methods of measuring internal migration. New York: UN, 1970.

ZABA, B. The indirect estimation of migration: a critical review. The International Migration Review, v. 21, n. 4, p. 1395-1445, 1987.

Publicado
2018-05-16
Como Citar
Magno de Carvalho, J. A., Campos, J., Irineu Rangel Rigotti, J., & Aloísio Torres Duarte de Pinho, B. (2018). Migrações internacionais no Brasil no período 2005-2010, com ênfase nos efeitos diretos e indiretos da imigração de retorno dos brasileiros. Revista Brasileira De Estudos De População, 35(3), 1-26. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0057
Seção
Artigos originais