Violência urbana e política pública de prevenção: avaliação do Programa Fica Vivo! no estado de Minas Gerais, Brasil

  • Bráulio Figueiredo Alves Silva Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Sociologia Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública https://orcid.org/0000-0003-1791-9075
  • Bernardo Lanza Queiroz Universidade Federal de Minas Gerais Cedeplar
  • Frederico Couto Marinho Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Geociências
  • Fabiano Neves Alves Pereira Universidade Federal de Minas Gerais Cedeplar
  • Pedro Cisalpino Universidade Federal de Minas Gerais Cedeplar
Palavras-chave: Avaliação de Políticas Públicas, Diferenças em Diferenças, Pareamento por Escore de Propensão, Programa Fica Vivo, Homicídios, Belo Horizonte.

Resumo

A violência urbana no Brasil tem assumido proporções elevadas nos últimos anos. Somente em 2014, quase 60 mil pessoas foram vítimas de homicídios no Brasil, posicionando o país entre os mais violentos do mundo. O objetivo deste texto é apresentar os resultados da avaliação da implementação do Programa Fica Vivo! na cidade de Belo Horizonte, ao longo de 15 anos de execução. De maneira geral, pode-se dizer que o programa cumpriu sua finalidade e logrou êxito em reverter a tendência de crescimento das taxas de homicídio. A metodologia adotada para avaliar os impactos do Programa Fica Vivo! permitiu aferir os efeitos das políticas de prevenção e controle dos homicídios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bráulio Figueiredo Alves Silva, Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Sociologia Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000), aperfeiçoamento em Análise Quantitativa pela Universidade do Texas em Austin (2003), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004) e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012). Atualmente é professor Adjunto do departamento de Sociologia da UFMG, pesquisador do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública e do Centro de Pesquisas Quantitativas em Ciências Sociais da UFMG. Membro pesquisador do INCT Espaço Urbano e Gestão da Segurança Pública. Atua principalmente nos seguintes temas: gestão urbana, segurança pública, criminalidade, violência, análise espacial de crimes, justiça juvenil, curso de vida e trajetória criminal, sistema de informação geográfica. Bolsista de Produtividade CNPq (categoria 2)

Referências

ANGRIST, J. D.; PISCHKE, J. S. Mostly harmless econometrics: an empiricist’s companion. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2008.

BARATA, R. B.; RIBEIRO, M. A. S.; MORAES, J. C. Tendência temporal da mortalidade por homicídios na cidade de São Paulo Brasil: 1979-1994. Cadernos de Saúde Pública. v. 15, n. 4, p.711-718, 1999.

BARROS, M. D. A.; XIMENES, R.; LIMA, M. L. C. Mortalidade por causas externas em crianças e adolescentes: tendências de 1979 a 1995. Revista de Saúde Pública, v. 35, n. 2, p. 142-149, 2001.

BEATO FILHO, C. C. Crime e cidades. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

BERRY, B. J. L.; KASSARDA, J. D. Contemporany urban ecology. New York: Macmillan, 1997.

CDC – CENTER FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Homicide trends and characteristics Brazil, 1980-2002. 2010. Disponível em: http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/mm5308a1.htm.

LÉRIDA, J. L. de. The impact of exogenous variation in family size on women’s labor force participation. In: CONFERENCE OF THE EUROPEAN SOCIETY FOR POPULATION ECONOMICS, 20, 2006, Verona. Anais... Verona: ESPE, 2006.

PEREIRA, F. N.; QUEIROZ, B. L. Diferenciais de mortalidade jovem no Brasil: a importância dos fatores socioeconômicos dos domicílios e das condições de vida nos municípios e estados

brasileiros. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, n. 9, set. 2016.

SAMPSON, R. J.; GROVES, W. B. Community structure and crime: testing social disorganization theory. American Journal of Sociology, v. 94, n. 4, p. 774-802, 1989.

SIGNORINI, B.; QUEIROZ, B. The impact of Bolsa Família Program on beneficiaries fertility. Belo Horizonte: Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais (Cedeplar/UFMG), 2011 (Texto para Discussão, n. 439).

VOCHT, F.; CAMPBELL, R.; BRENNAN, A. C.; MOONEY, J.; ANGUS, C. H. M. Propensity score matching for selection of local areas as controls for evaluation of effects of alcohol policies in case series and quasi case-control designs. Public Health, v. 10, n. 1016, 2015.

Publicado
2018-05-16
Como Citar
Silva, B. F. A., Queiroz, B. L., Marinho, F. C., Pereira, F. N. A., & Cisalpino, P. (2018). Violência urbana e política pública de prevenção: avaliação do Programa Fica Vivo! no estado de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira De Estudos De População, 35(2), 1-9. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0059
Seção
Notas de pesquisa