Análise e previsão demográfica utilizando-se matrizes de crescimento e distribuição populacional intermunicipal

Palavras-chave: projeções, migração, município, crescimento natural, análise espacial

Resumo

Entre os desafios para a área de projeções demográficas estão a volatilidade do componente migratório – fundamental para a projeção de pequenas áreas –, a compatibilização entre projeções de pequenas e grandes áreas de forma consistente e a mensuração e inclusão da incerteza em cenários futuros de crescimento demográfico. O presente artigo lida com estes três desafios ao desenvolver e testar um novo método probabilístico de previsão populacional para os municípios paulistas. As vantagens do método proposto são: utilizar como insumo apenas as informações sobre o município de residência anterior e as distribuições populacionais dos últimos dois Censos; gerar intervalos de confiança para as populações projetadas; explicitar o papel dos fluxos migratórios na dinâmica de crescimento intermunicipal; e facilitar a elaboração de cenários contrafactuais e análises de sensitividade usando matrizes de crescimento multirregional. Descrevem-se os padrões e tendências das trocas migratórias municipais utilizando ferramentas de análise e visualização espacial e identificam-se as áreas nas quais a migração é responsável por parte considerável da dinâmica demográfica observada. Mais de 95% das 572 populações municipais paulistas projetadas tiveram boa precisão e localizaram-se dentro dos intervalos de confiança previstos. Utilizaram-se os dados dos Censos Demográficos de 1980, 1991 e 2000.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeronimo Oliveira Muniz, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Professor do departamento de pós-graduação em Sociologia da UFMG

Referências

AHLBURG, D. A. Using economic information and combining to improve forecast accuracy in demography. Minneapolis: University of Minnesota, 1998 (Working paper, Industrial Relations Center).

ALHO, J.; SPENCER, B. Statistical demography and forecasting. United States: Springer, 2005.

ANSELIN, L. Local Indicators of Spatial Association – Lisa. Geographical Analysis, v. 27, n. 2, p. 93-115, 1995.

ANSELIN, L. An introduction to spatial autocorrelation analysis with GeoDa. Urbana-Champaign, IL: Spatial Analysis Laboratory (SAL), Department of Agricultural and Consumer Economics, University of Illinois, 2003. Disponível em: http://www.uni-kassel.de/~rkosfeld/lehre/spatial/spauto.pdf. Acesso em: 4 fev. 2015.

ANSELIN, L.; SYABRI, I.; KHO, Y. GeoDa: An introduction to spatial data analysis. Geographical Analysis, v. 38, n. 1, p. 5-22, 2006.

BAENINGER, R.; CUNHA , J. M. Migração, dinâmica regional e projeções populacionais. São Paulo em Perspectiva, v. 10, n. 2, p. 102-109, 1996.

BERK, R. A. A primer on robust regression. In: FOX, J.; LONG, J. S. (Ed.). Modern methods of data analysis. Newbury Park, CA: Sage, 1990. p. 292-324.

BOOTH, H. Demographic forecasting 1980 to 2005 in review. International Journal of Forecasting, v. 22, n. 3, p. 547-581, 2006.

BRITO, L.; CAVENAGHI, S.; JANNUZZI, P. M. Estimativas e projeções populacionais para pequenos domínios: uma avaliação da precisão para municípios do Rio de Janeiro em 2000 e 2007. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 27, n. 1, p. 35-57, 2010.

CAVENAGHI, S.; POTTER, J.; SCHMERTMANN, C.; ASSUNÇÃO, R. Estimating total fertility rates for small areas in Brazil. In: MEETING OF THE POPULATION ASSOCIATION OF AMERICA. Proceedings… Boston, MA: PAA, 2004.

CLIFF, A. D.; ORD, J. K. Spatial processes: models and applications. London: Pion, 1981.

CUNHA, J. M. Migração e urbanização no Brasil: alguns desafios metodológicos para análise. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 4, p. 3-20, 2005.

CUNHA, J. M.; JAKOB, A. Segregação socioespacial e inserção no mercado de trabalho na Região Metropolitana de Campinas. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 27, n. 1, p. 115-139, 2010.

DEVINE, J.; COLEMAN, C. People might move but housing units don’t: an evaluation of the state and county housing unit estimates. Washington: Population Division, U.S. Census Bureau, 2003 (Working Paper Series, n. 71).

DUCHESNE, L. Proyeciones de poblacion por sexo y edad para areas intermedias y menores. Santiago: Centro Latinoamericano de Demografia, 1987.

ESRI – Environmental Systems Research Institute. ArcGIS Release 10.1. Redlands, CA, 2012.

FÍGOLI, M. Intervalo de confiança para projeção de população baseado no método de Monte Carlo: projeção dos beneficiários urbanos da previdência social. Revista Brasileira de Estatística,

v. 60, n. 213, p. 25-51, 1999.

FÍGOLI, M. G. B.; WONG, L. L. R.; SAWYER, D. R. T. O.; CARVALHO, J. A. M. Proyeccíon multirregional: aplicación en Brasil y sus unidades federativas (200-2020). Notas de Población, Santiago do Chile, v. 76, p. 7-35, 2003.

FOTHERINGHAM, A.; BRUNSDON, C. Local forms of spatial analysis. Geographical Analysis, v. 31, p. 340-358, 1999.

FREIRE, F. H.; ASSUNÇÃO, R. M. Intervalo de confiança para a taxa de fecundidade total de pequenas áreas. In: XIV ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Anais... Caxambu, MG: Abep, 1998. Disponível em: http://www.abep.nepo.unicamp.br/docs/anais/PDF/1998/a240.pdf. Acesso em: 4 fev. 2015.

GIROSI, F.; KING, G. Demographic forecasting. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2008.

GUIMARÃES, R. R. Uncertainty in population projections: the state of the art. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 277-290, 2014.

HAKKERT, R. Quasi-component models for small area population projections: examples from the state of São Paulo, Brazil. International Union for the Scientific Study of Population. Florence, 1985.

IBGE. Projeções da população: Brasil e unidades da federação. Rio de Janeiro, 2013 (Série Relatórios Metodológicos, v. 40). Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Projecao_da_Populacao/

Projecao_da_Populacao_2013/srm40_projecao_da_populacao.pdf. Acesso em: 27 dez. 2016.

_________. Estimativas da população residente para os municípios e para as unidades da federação brasileiros com data de referência em 1º de julho de 2016. Rio de Janeiro, setembro de 2016. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv97868.pdf. Acesso em: 27 dez. 2016.

JAKOB, A. Zonas de segregação e vulnerabilidade na Baixada Santista. In: VAZQUEZ, D. A. (Org.). A questão urbana na Baixada Santista: políticas, vulnerabilidades e desafios para o

desenvolvimento. 1. ed. São Paulo: Editora Universitária Leopoldianum, 2011. p. 65-80.

JANNUZZI, P. M. Cenários futuros e projeções populacionais para pequenas áreas: método e aplicação para distritos paulistanos 2000-2010. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 24, n. 1, p. 109-136, 2007.

JARDIM, M. L. Utilização de variáveis sintomáticas para estimar a distribuição espacial de populações: aplicação aos municípios do Rio Grande do Sul. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 1995.

KEYFITZ, N. The limits of population forecasting. Population and Development Review, v. 7, n. 4, p. 579-593, 1981.

_________. Can knowledge improve forecasts? Population and Development Review, v. 8,

n. 4, p. 729-751, 1982.

KEYFITZ, N.; CASWELL, H. Applied mathematical demography. New York, NY: Springer, 2005.

LEE, R. D. Stochastic demographic forecasting. International Journal of Forecasting, v. 8, n. 3,

p. 315-327, 1992.

_________. Probabilistic approaches to population forecasting. Population and Development Review, v. 24 (Supplement: Frontiers of Population Forecasting), p. 156-190, 1998.

LEE, R. D.; CARTER, L. Modelling and forcasting the times series of US mortality. Journal of the American Statistical Association, v. 87, n. 419, 1992.

LEE, R. D.; TULJAPURKAR, S. Stochastic population forecasts for the United States: beyond high, medium, and low. Journal of the American Statistical Association, v. 89, n. 428, p. 1175-1189, 1994.

LESLIE, P. H. On the use of matrices in certain population mathematics. Biometrika, v. 33, n. 3, p. 183-212, 1945.

_________. Some further notes on the use of matrices in population mathematics. Biometrika, v. 35, n. 3/4, p. 213-245, 1948.

LUTZ, W.; VAUPEL, J.; AHLBURG, D. A. Frontiers of population forecasting. New York: Population Council, 1999.

MACHADO, C. Projeções multirregionais de população: o caso brasileiro (1980-2020). Tese (Doutorado) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 1993.

MADEIRA, J. L.; SIMÕES, C. C. Estimativas preliminares da população urbana e rural segundo as unidades da federação, de 1960/1980 por uma nova metodologia. Revista Brasileira de

Estatística, v. 33, n.129, p. 3-11, 1972.

MIRON, J. Spatial autocorrelation in regression analysis: a Beginner’s Guide. In: GAILE, G. L.; WILLMOTT, C. J. (Ed.). Spatial statistics and models. Dordrecht, Holland: D. Reidel Publishing Co., 1984. p. 201-222.

MORAN, P. A. P. Notes on continuous stochastic phenomena. Biometrika, v. 37, n. 1/2, p. 17-23, 1950.

MUNIZ, J. O. Spatial dependence and heterogeneity in ten years of fertility decline in Brazil. Population Review, v. 48, n. 2, p. 32-65, 2009.

_________. Demographic dynamics of poverty and income inequality: the case of Brazil. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 29, n. 2, p. 323-348, 2012.

OLIVEIRA, J. C.; ALBUQUERQUE, F. R.; LINS, I. B. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 1980-2050 – Revisão 2004; Estimativas anuais e mensais da população do Brasil e das unidades da federação: 1980-2020; Estimativas das populações municipais. Rio de Janeiro: IBGE, 2004. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/

estimativa2004/metodologia.pdf. Acesso em: 4 fev. 2015.

PFLAUMER, P. Confidence intervals for population projections based on Monte Carlo methods. International Journal of Forecasting, v. 4, n. 1, p. 135-142, 1988.

ROGERS, A. Matrix analysis of interregional population growth and distribution. Berkeley: University of California Press, 1968.

_________. Matrix methods in urban and regional analysis. San Francisco: Holden-Day, 1971.

_________. Introduction to multiregional mathematical demography. New York: John Wiley, 1975.

_________. Multiregional demography: principles, methods and extensions. London: John Wiley, 1995.

ROUSSEEUW, P. J.; LEROY, A. M. Robust regression and outlier detection. New York: Wiley, 1987.

SANDERSON, W. Knowledge can improve forecasts: a review of selected socioeconomic population projection models. Population and Development Review, v. 24 (Supplement: Frontiers of Population Forecasting), p. 88-117, 1998.

SANTOS, R. O.; BARBIERI, A. F. Projeções populacionais em pequenas áreas: uma avaliação comparativa de técnicas de extrapolação matemática. Revista Brasileira de Estudos de

População, v. 32 n. 1, p. 139-163, 2015.

SCHOEN, R. Modeling multigroup populations. New York: Plenum Press, 1988.

_________. Dynamic population models. Dordrecht: Springer, 2006.

SEADE. Sistema de projeções populacionais para os municípios do estado de São Paulo. São Paulo, [s/d]. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/projpop/pdfs/projpop_

metodologia.pdf. Acesso em: 27 dez. 2016.

SMITH, S.; TAYMAN, J.; SWANSON, D. State and local population projections: methodology and analysis. New York: Kluwer, 2001.

STOTO, M. A. The accuracy of population projections. Journal of the American Statistical Association, v. 78, n. 381, p. 13-20, 1983.

SZWARCWALD, C. L.; CASTILHO, E. A. Proposta de um modelo para desagregar projeções demográficas de grandes áreas em seus componentes geográficos. Revista de Saúde Pública, v. 23, n. 4, p. 269-76, 1989.

UNITED NATIONS. Manual III. Methods for population projections by sex and age. New York: Department of International Economic and Social Affairs, 1956.

_________. The determinants and consequences of population trends: new summary of findings on interaction of demographic, economic and social factors. New York: Department of International Economic and Social Affairs, 1973.

VERARDI, V.; CROUX, C. Robust regression in Stata. Stata Journal, v. 9, n. 3, p. 439-453, 2009.

WALDVOGEL, B. C. Projeção populacional em São Paulo: um método analítico como alternativa. São Paulo em Perspectiva, v. 10, n. 2, p. 110-115, 1996.

WALDVOGEL, B. C.; CAPASSI, R. Cenário da população paulista dos anos 90 ao futuro. São Paulo em Perspectiva, v. 13, n.1-2, p. 186-195, 1999.

WALDVOGEL, B. C.; FERREIRA, C. E.; YAZAKI, L. M.; GODINHO, R. E.; PERILLO, S. R. Projeção da população paulista como instrumento de planejamento. São Paulo em Perspectiva, v. 17, n. 3-4, p. 67-79, 2003.

WILLEKENS, F. Demographic forecasting: State-of-the-art and research needs. In: HAZEU, C. A.; FRINKING, G. B. A. (Ed.). Emerging issues in demographic research. Amsterdam: Elsevier, 1990. p. 9-66.

WISNIOWSKI, A.; SMITH, P. W. F.; BIJAK, J.; RAYMER, J.; FORSTER, J. Bayesian population forecasting: extending the Lee-Carter method. Demography, v. 52, n. 3, p. 1035-1059, 2015.

WHELPTON, P. K. Population of the United States, 1925 to 1975. The American Journal of Sociology, v. 34, n. 2, p. 253-270, 1928.

Publicado
2018-05-16
Como Citar
Muniz, J. O. (2018). Análise e previsão demográfica utilizando-se matrizes de crescimento e distribuição populacional intermunicipal. Revista Brasileira De Estudos De População, 35(3), 1-36. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0051
Seção
Artigos originais