A caracterização da pobreza urbana ao longo do tempo: aplicação do modelo idade-períodocoorte na estimação das tendências de privações crônica e transitória no Brasil

  • Rafael Perez Ribas Centro Internacional de Pobreza/UNDP e Cedeplar/UFMG
Palavras-chave: Pobreza crônica e transitória, Modelo idade-período-coorte (IPC), Projeção de pobreza

Resumo

Ao longo das últimas décadas, a pobreza no Brasil vem mudando seu perfil, devido, em parte, a alterações no padrão de reprodução e mortalidade da população. Da mesma forma, os desenhos de políticas sociais, especialmente de combate à pobreza, tomaram outros rumos. Nesse aspecto, a pertinência desses novos desenhos depende da natureza da condição de baixa renda, podendo ser entendida como um fenômeno permanente ou temporário e, principalmente, da tendência de mudanças nessa composição transitória-crônica (T-C). O objetivo deste trabalho é justamente analisar essa tendência, assim como o processo de incidência da pobreza urbana, em termos de mudanças ao longo do tempo e de gerações de indivíduos, projetando medidas futuras de privação na renda. Para tanto, é utilizado um modelo de idade-período-coorte (IPC) sobre a pobreza, absoluta e relativa, observada nas PNADs entre 1995 e 2003, e sobre sua composição T-C estimada. Os resultados apontam que o efeito coorte é mais expressivo do que o de período sobre a redução da pobreza recentemente, em especial de seu componente crônico. Já o componente transitório apresenta tendência de aumento ao longo do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-09-02
Como Citar
Ribas, R. P. (2013). A caracterização da pobreza urbana ao longo do tempo: aplicação do modelo idade-períodocoorte na estimação das tendências de privações crônica e transitória no Brasil. Revista Brasileira De Estudos De População, 24(1), 139-161. Recuperado de https://rebep.org.br/revista/article/view/213
Seção
Artigos originais